Skip to content

A origem da Hydro se torna Patrimônio Mundial

No domingo, a UNESCO determinou que a origem da Hydro em Notodden e Rjukan pertencerá à lista exclusiva do Patrimônio Mundial. – Um tributo maravilhoso à engenharia inovadora, determinação e consciência social que os fundadores da empresa mostraram – diz o atual presidente executivo, Svein Richard Brandtzæg.

O Patrimônio Mundial em Notodden e Tinn é efetivamente o legado industrial das duas primeiras décadas do século passado. Foi a essa altura que o cientista Kristian Birkeland, o engenheiro Sam Eyde e o gerente de projetos Sigurd Kloumann criaram a Norsk Hydro. Além disso, tanto Eyde como Kloumann fundaram diversas empresas separadas que desempenharam papéis centrais na história da Noruega. Impulsionaram a segunda revolução industrial na Noruega, promovendo crescimento, otimismo, emprego e novas cidades industriais. Pois a criação da Hydro não foi apenas o início de uma aventura industrial espetacular, mas também a primeira manifestação viável daquilo que seria uma indústria totalmente nova.

Qualidade extraordinária

– Agora que o projeto pioneiro de colaboração dos fundadores da Hydro pode ser agraciado com o selo do Patrimônio Mundial, o motivo não é apenas que fizeram algo grande e inovador. Na época, Svelgfoss era uma das maiores usinas elétricas da Europa, e, alguns anos mais tarde, o desenvolvimento hidrelétrico da cachoeira Rjukanfossen acabou sendo a maior do mundo. Ainda mais importante foi o fato de que o trabalho realizado pelos fundadores se caracterizou por uma qualidade excepcional. Mais de 100 anos depois podemos vivenciar o que eles criaram no local original e, em parte, ainda em funcionamento. A nível mundial, não há nada igual, e isso vai contribuir para que a província de Telemark deixe uma marca ainda mais evidente no mapa-múndi – diz Brandtzæg.

Ele ressalta que hoje, 110 anos depois da fundação da Hydro, o sucesso dos pioneiros serve de grande inspiração para os líderes da empresa.

– O reconhecimento excepcional que a inclusão na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO representa nos enche tanto de orgulho quanto de humildade. Trabalhando todo dia para inovar a Hydro diante dos desafios atuais e futuros, continuamos a construir sobre esse legado – afirma Brandtzæg.

Fotos: Fjellanger Widerøe A/S


Processo longo

Foi Erik Solheim, o então ministro do Meio Ambiente e Desenvolvimento, que, em setembro de 2010, a bordo do antigo ferryboat da Hydro M/F “Storegut” em Mæl, deu início ao processo de nomeação que, nesse fim de semana foi coroado com aplausos e o apoio total da reunião da UNESCO em Bonn. O trabalho com a candidatura foi conduzido pela Direção-Geral do Patrimônio Cultural da Noruega, em estreita colaboração com a administração da província de Telemark e as prefeituras de Notodden e Tinn.

No pedido detalhado, eles apresentaram a história sobre o seguinte:

  • a água do planalto de Hardangervidda que flui para o leste até Rjukan e Notodden;
  • a água que se transforma em energia elétrica;
  • a energia elétrica que é usada para criar uma indústria química de processos;
  • uma indústria de processos que produz fertilizantes, um produto global.

Tudo diz respeito à história da Norsk Hydro, ao início da segunda revolução industrial da Noruega, a duas comunidades industriais muito especiais e ao começo do que foi chamado do modelo norueguês de bem-estar social.