Skip to content

IBAMA suspende embargo da nova área de depósito de resíduos de bauxita da Alunorte

A refinaria de alumina da Hydro, a Alunorte, recebeu, em 25 de outubro do IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - a suspensão do embargo da nova área de depósito de resíduos de bauxita (DRS2). O embargo da Justiça Federal continua em vigor.

O IBAMA suspendeu o embargo do DRS 2 após analisar as informações solicitadas à Alunorte e à SEMAS - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará. A decisão de suspender o embargo veio após uma autorização excepcional concedida pelo IBAMA à Alunorte, em 5 de outubro. Essa autorização liberou a empresa para utilizar sua tecnologia de filtro de prensa, a última geração no processamento de resíduos de bauxita. O uso do DRS2 em combinação com a tecnologia de filtro prensa representa a única solução sustentável de longo prazo para a Alunorte.

A suspensão do embargo pelo IBAMA não permite a retomada imediata da fase de testes e comissionamento do DRS 2, pois o embargo da Justiça Federal continua válido.

"O novo depósito de resíduos de bauxita, juntamente com o filtro de prensa, é a tecnologia de tratamento de resíduos de bauxita mais moderna do mundo. Continuaremos o diálogo com as autoridades para buscar a permissão para utilizar o novo depósito. Isso é fundamental para a sustentabilidade e continuidade das operações da refinaria", diz John Thuestad, Vice-Presidente Executivo da Hydro da área de negócios de Bauxita & Alumina.

O DRS2 é construído especialmente para armazenar com segurança os resíduos de bauxita processados ​​pelos filtros prensa. A tecnologia de filtros prensas, de última geração, reduz significativamente a umidade no resíduo, permitindo que seja empilhado a seco. Isso reduz a área necessária para armazenamento. Isto aumenta a segurança e reduz a pegada ambiental.

A Alunorte iniciou o projeto para migrar as operações para a nova tecnologia de filtro prensa no DRS 2 em agosto de 2014. Antes dos embargos impostos em março, a refinaria estava em processo de comissionamento dos filtros prensa e do DRS2, com a intenção de aumentar gradualmente seu uso. Ao mesmo tempo reduzindo a atividade dos filtros tambor e da antiga área de depósito DRS1.

A retomada das atividades de comissionamento e testes no DRS 2 permitiria à Alunorte fazer a transição planejada do DRS1 para o novo depósito de resíduos e para a nova tecnologia.

“Este é um desenvolvimento na direção certa para a Alunorte, nos aproximando do nosso plano original de substituir o DRS1 pelo DRS2, com base na moderna tecnologia de filtragem prensa”, diz John Thuestad, VP de Bauxita e Alumina da Hydro. “Em uma perspectiva de longo prazo, o uso de filtros prensa em combinação com o DRS2 representa a única solução sustentável para a Alunorte - tanto ambientalmente quanto operacionalmente”, diz Thuestad.

O prazo para a suspensão dos embargos que limitam a produção da Alunorte a 50% da capacidade total permanece incerto.

Background

Nos dias 16 e 17 de fevereiro, a cidade de Barcarena, incluindo a refinaria de alumina Alunorte, foi atingida por uma chuva extrema, que continuou nos dias seguintes. A chuva causou inundações na região.

Revisões internas e externas confirmam que não houve transbordamento dos depósitos de resíduos de bauxita ou derramamentos prejudiciais do evento da chuva de fevereiro.

Desde 1º de março, a Alunorte opera com 50% de sua capacidade, seguindo determinação da SEMAS e da Justiça. Consequentemente, a mina de bauxita de Paragominas e a planta de alumínio da Albras também reduziram a produção em 50%.

Tanto a Alunorte quanto Paragominas concederam férias coletivas a cerca de 1.000 funcionários para preservar empregos e mitigar os impactos da atividade reduzida. Em julho, Paragominas suspendeu temporariamente contratos de trabalho para 80 funcionários e rescindiu 175 contratados.

Em 5 de setembro, a Alunorte assinou dois contratos representando um marco para retomar as operações normais. Os contratos incluem um termo técnico de Conduta Ajustada (TAC) assinado entre a Alunorte - Alumina do Norte do Brasil SA, a Norsk Hydro do Brasil Ltda, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), o Governo do Estado. Pará, representado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS). Além disso, foi assinado um Termo de Compromisso (TC) social entre a Alunorte - Alumina do Norte do Brasil SA e o Governo do Estado do Pará. O TAC regula certas melhorias técnicas, auditorias, estudos e pagamentos de cartões de alimentos para famílias que vivem na área hidrográfica do rio Murucupi, enquanto o TC aborda esforços adicionais e investimentos relacionados ao desenvolvimento social das comunidades em Barcarena.