Skip to content

Hydro financia a realização do primeiro estudo sobre biodiversidade aquática de Barcarena

Em parceria com a UFPA, pesquisa sobre a biota aquática da região terá duração de quatro anos e investimento de aproximadamente R$ 2,7 milhões

A Hydro está financiando uma pesquisa sobre a biodiversidade aquática do município de Barcarena (PA). O estudo, realizado em parceria com o Instituto de Ciências Biológicas (ICB), da Universidade Federal do Pará (UFPA), tem como objetivo obter informações mais precisas sobre a diversidade, abundância, ecofisiologia e riqueza de peixes, insetos aquáticos, plâncton, perifíton (biofilme com micro-organismos) e macrófitas (plantas aquáticas) da região. A pesquisa trará como resultados bioindicadores que poderão ser utilizados pela empresa e, também, por toda a toda comunidade. Os estudos terão duração de quatro anos e um investimento de R$ 2,7 milhões. Este valor engloba materiais e equipamentos para a universidade, além de bolsas de estudo para alunos.

“Atualmente, há poucos dados sobre a biodiversidade aquática de Barcarena porque uma pesquisa como esta nunca foi realizada na região. Os resultados desta pesquisa que será feita pela UFPA, serão públicos e poderão ser consultados por todos. Este aprendizado compartilhado pode ajudar em mobilizações em prol do bem mais precioso da Amazônia: recursos naturais. Essa pesquisa é uma iniciativa voluntária da Alunorte e faz parte da nossa estratégia de sustentabilidade”, afirma Carlos Neves, Diretor de Operações de Bauxita & Alumina da Hydro.

O estudo faz parte do convênio de cooperação técnica e científica que a empresa assinou com a universidade, em 2019. A pesquisa terá linhas diferentes de atuação como o estudo e mapeamento de peixes que habitam a região, a investigação do modo de como os vegetais reagem aos estímulos do ambiente onde vivem, a avaliação do conjunto de organismos que residem nos ambientes aquáticos, assim como algas e estudo de insetos que vivem pelo menos um estágio do ciclo de vida em rios e igarapés, como libélulas, percevejos, besouros, dentre outros. Serão oito profissionais envolvidos no projeto entre professores e empregados da Hydro, além dos alunos. Ao todo serão distribuídas 18 bolsas de estudo entre mestrado, doutorado e pós-doutorado, mais 10 bolsas de iniciação científica. Os pesquisadores irão recolher amostras dos organismos aquáticos e a própria água dos riachos para levarem aos laboratórios e realizarem as análises da pesquisa.

“A Amazônia é reconhecida mundial por sua grande biodiversidade, abrigando muitas espécies e serviços ecossistêmicos essenciais. Apesar disso, ainda existem muitas lacunas do real tamanho da biodiversidade existente, uma vez que muitas espécies ainda não foram descritas pela ciência ou ainda não foi possível apontar as áreas aonde elas ocorrem e quais são os fatores ou condições que determinam sua distribuição. Portanto, projetos como esse que será realizado com o convênio com a Hydro, permitem gerar dados importantes que vão contribuir para a diminuição dessas lacunas de informação. Possibilitando a discussão ou planejamento de estratégias mais eficientes de mitigação de impactos ambientais ou de conservação da biodiversidade. Outro ponto muito importante para ser ressaltado é a grande contribuição para a formação de recursos humanos qualificados em trabalhar com biodiversidade, em uma das áreas mais carentes do Brasil, uma vez que as bolsas de ensino contempladas no projeto, possibilitará que alunos realizam suas pesquisas e concluam seus estudos”, afirma o professor Leandro Juen, da UFPA, líder do projeto.

Sobre o convênio de pesquisas Hydro e UFPA

A Hydro já anunciou diversos projetos de pesquisa com a UFPA, nas áreas de utilização de resíduos e rejeitos, meteorologia e na produção de energia solar. O investimento em pesquisas faz parte da estratégia de sustentabilidade da Hydro. Em 2020, a companhia anunciou duas pesquisas que já estão em andamento, sendo a produção de cimento e de agregado sintético, ambas com o resíduo oriundo do refino da bauxita, o qual é gerado na Alunorte. Em 2021, foi anunciada outra pesquisa, que está estudando a viabilidade do uso do rejeito do minério da mina de bauxita da Hydro, em Paragominas (PA), para a produção de telhas, tijolos, materiais refratários, cimento de baixo carbono e até um plástico biodegradável. Também foi anunciada uma pesquisa sobre o uso de placas solares na sua mina de bauxita em Paragominas (PA). A universidade irá realizar testes com um sistema fotovoltaico flutuante no reservatório de água da Mineração Paragominas. Hydro e UFPA também estão realizando estudos meteorológicos, na mina de bauxita e também na Alunorte, que irão aperfeiçoar a gestão dos recursos hídricos das unidades. A empresa e a universidade estão realizando também um estudo para verificar a viabilidade do uso do caroço do açaí como biomassa. Há também outros três projetos de inovação no combate à Covid-19 que estão em andamento: produção de respiradores de baixo custo, estudos de efeitos psicológicos durante a pandemia e uso da ciência de dados para criar modelos epidemiológicos. Como parte do convênio, a empresa também doou 890 tablets para auxiliar o ensino remoto durante a pandemia. Recentemente também foi doado um barco e materiais de laboratórios para o ICB, por meio do estudo de Ecotoxicologia. Em outra iniciativa, a Hydro está realizando um levantamento de background ambiental dos municípios de Barcarena e Abaetetuba em parceria com a UFPA. Todos os projetos integram o convênio de cooperação técnica e científica entre a Hydro e a Universidade, iniciado em 2019, para a realização de diversas linhas de pesquisa, que possibilitem consolidar o desenvolvimento do Estado do Pará.

In Press Porter Novelli

External Press Officer

Recommended for you