Skip to content

Barragens

Para armazenar os rejeitos, a Mineração Paragominas possui dois sistemas. O primeiro é o Sistema de Barragens do Vale e o segundo o Sistema do Platô (RP1), ambos estão localizados na região do entorno da mina e atendem a todas as exigências da legislação vigente. A Hydro também utiliza a metodologia “Tailing Dry Backfill”, que representa o fim do uso de grandes barragens para armazenamento permanente de rejeitos de bauxita. Confira abaixo.

RP1 - material seco.JPG

Sistema de Barragens do Vale

É composto pelas barragens B1, B5 e B6. Apenas a primeira delas é destinada aos rejeitos do beneficiamento de bauxita, com capacidade de armazenamento de mais de 50 milhões de metros cúbicos. A B6 é usada para o tratamento e armazenamento da água que é bombeada para reutilização na planta de forma sustentável.

A Hydro vem tomando medidas para ir além do que é exigido pela legislação vigente e para adotar as melhores práticas nacionais e internacionais de construção e gestão de barragens. Desta forma, a Mineração Paragominas realizou melhorias para que a segurança das barragens atendesse às recomendações internacionais do setor. Somado a isso, a mina conta com procedimento operacionais que reduzem ainda mais o volume de água no ambiente destinado aos rejeitos e com programas aprimorados de instrumentação e monitoramento do sistema.

Conheça o Sistema de Barragens do Vale:

Sistema de Disposição de Rejeitos do Platô
(RP1)

Construído sobre antiga área de lavra de bauxita, o Sistema do Platô (RP1) tem capacidade de armazenamento de aproximadamente 11 milhões de metros cúbicos de rejeitos. O sistema é subdividido em quatro reservatórios de rejeitos e oito reservatórios de água (bacias de tratamento), visando reutilização do recurso no processo produtivo.

No sistema do Platô os quatro reservatórios são utilizados alternadamente para disposição dos rejeitos, permitindo que ocorra a secagem e compactação das camadas depositadas. Essa metodologia aumenta a segurança e a estabilidade das estruturas.

Conheça o Sistema do Platô (RP1):

 

“MetodologiaTailing Dry Backfill”

A Hydro investiu cerca de R$ 30 milhões para colocar em operação a metodologia “Tailing Dry Backfill” que é pioneira na indústria de mineração de bauxita no Brasil. A metodologia permite que os rejeitos inertes da mineração de bauxita sejam devolvidos às áreas já abertas e mineradas, ao invés de serem depositados em áreas separadas e permanentes de armazenamento. Após a secagem em depósito temporário por 60 dias, os rejeitos de bauxita são devolvidos às áreas mineradas, antes da área ser reabilitada e reflorestada.

O rejeito proveniente da mineração da bauxita é química e fisicamente similar ao que foi retirado durante o processo de lavra. Portanto, é devolvido para a natureza sem nenhum impacto ao meio ambiente. Assim, proporciona significativa redução da pegada ambiental da mineração de bauxita e mais segurança operacional.

Conheça o Dry Backfill:

Características das Barragens:

Barragem B1:
• Altura: 31,80m
• Capacidade máxima de Volume: 51,5 Mm³
• Volume Ocupado: 46,5 Mm³
• Volume Útil: 5 Mm³
• Tipo de alteamento: predominantemente a jusante e linha de centro.


Sistema do Platô (RP1):
• Altura: 13,50 m
• Capacidade máxima de Volume: 11,6 Mm³
• Volume Ocupado: 3,1 Mm³
• Volume Útil: 8,5 Mm³
• Tipo de alteamento: Dique de Partida (ainda não possui)