Skip to content

Human rights

Businesses have a responsibility to respect human rights. We also believe businesses have an important role in supporting and promoting human rights.

Greeting community members

Hydro respects the human rights of all individuals and groups that may be affected by our operations. This includes employees, contractors, suppliers, agencies, partners, communities, and those affected by the use and disposal of our products. 

Our commitment to respect human rights is guided by internationally recognized human rights and labor standards, including those contained in the International Bill of Human Rights and the ILO Declaration on Fundamental Principles and Rights at Work (Core Labor Standards).

Our approach is based on key frameworks that define human rights principles for businesses (external links):

Hydro’s major risks to people

We have identified the human rights salient to our operations and which we are most at risk of impacting:

  • Modern slavery, forced labor and child labor abuse
  • Principles of freedom of association and collective bargaining
  • Freedom from discrimination and harassment
  • Decent working conditions
  • Right to privacy
  • Right to health
  • Right to safety
  • Rights of vulnerable individuals and groups
  • Provide information, dialogue and participation
  • Rightful, respectful and lawful resettlement, relocation and repossession

Hydro’s Human rights management

Managing and improving our human rights impact is an ongoing process. You can find more information about Hydro’s human rights management in Hydro’s Human Rights Policy and our Annual Report.

Policy commitment and governance

  • Hydro’s Human Rights Policy was developed in 2013 through a multi-stakeholder process. The policy was updated in 2016 and in 2020. In the most recent update, several internal and external experts were consulted with competence from social responsibility, health, safety and environment, legal, human rights, as well as NGOs. The policy outlines the company’s commitment to respecting human rights. The commitment is integrated in key procedures, including supply chain management, HSE, HR, new projects, and risk management. The policy is approved by Hydro’s Corporate Management Board.
  • Respecting human rights is part of Hydro’s Code of Conduct, with which we expect all of our employees to comply.
  • Hydro’s Code of Conduct is approved and owned by Hydro’s Board of Directors. Hydro’s Governance Documents concerning human rights are approved by the relevant Executive Vice Presidents.
  • We have set minimum requirements relating to human rights to our suppliers. These are stated in Hydro’s Supplier Code of Conduct. We expect our suppliers to comply with and promote the same principles in their own supply chain.
  • We communicate our performance in our Annual report according to the Global Reporting Initiative (GRI) Standards. The report also includes our Modern Slavery Transparency Statement.

Due diligence: Identifying, assessing, acting, monitoring and communicating impacts

  • Human rights risk assessments and mitigating action plans are integrated in Hydro’s enterprise risk management process.
  • In line with our risk-based approach, we aim to conduct more thorough stand-alone human rights impact assessments with mitigating action plans where there is a higher risk for adverse human rights impact.
  • Before new projects, major developments or large expansions are undertaken, we aim to conduct risk-based environmental and social impact assessments, when relevant, which include evaluating risks for adverse human rights impacts. We are guided by The IFC Performance Standards on Environmental and Social Sustainability in doing so.
  • We have procedures to assess new suppliers against human rights criteria. Where relevant, we conduct risk-based audits and reviews of suppliers, and work to improve supplier performance through corrective action plans or supplier development programs.

Stakeholder engagement

  • Where relevant, we consult parties we may impact through cause, contribution or linkage in the identification, assessment and management of significant human rights impacts associated with our activities.
  • We engage and collaborate with stakeholders both internally and externally where relevant to help inform us about, and evaluate the effectiveness of, our human rights management. This may include civic organizations, NGOs, unions, local associations, authorities, etc.
  • We also consult with human rights experts knowledgeable about the local territories where we operate or through established partnerships. See more under Industry commitment and collaboration below.
  • We engage in dialogue where relevant with employees’ representatives, employee forums or unions. Hydro has a Global Framework Agreement with international and national unions.
  • Where relevant and in line with our risk-based approach, we have regular dialogue with communities, and more frequent and structured dialogue in communities with higher risk of facing adverse human rights impacts. Read more about community engagement here.
  • We aim to contribute to the economic and social development of our employees, our partners and the communities in which we operate, and promote principles of good governance in doing so. Read more about community development here.

Grievance mechanisms and remediation

To help facilitate informed and effective participation by people who are potentially affected by our operations, we establish or facilitate access to effective grievance mechanisms where relevant.

We encourage, and will not retaliate against, individuals who in good faith raise concerns regarding Hydro’s respect for human rights.

A companywide whistleblower channel AlertLine for reporting concerns involving illegal, unethical or unwanted behavior is available, on an identified or anonymous basis, for employees and on-site contractors. In countries with higher risks for adverse human rights impact to communities according to our risk-based approach, we aim to have local community-based grievance mechanisms.

In situations where we identify adverse human rights impact that we have caused or contributed to, we work to cooperate in, promote access to and/or provide fair remediation.

Hydro is committed to not interfere, retaliate or hinder access to judicial or non-judicial mechanisms. Non-judicial mechanisms include the OECD National Contact Points and the Compliance Advisor Ombudsman (CAO).

Industry commitment and collaboration

We recognize the importance of working collaboratively across our industry to promote the respect for, and fulfillment of, human rights. We are members of the International Council on Mining and Metals and the Aluminium Stewardship Initiative, and actively participate in working groups related to human rights and social development.

Furthermore, we participate in forums such as the UN Forum on Business and Human Rights and are members of Norwegian KAN (Coalition for responsible business) and the and the Danish Institute for Human Rights’ Nordic Business Network for Human Rights.  

Hydro has had a long-standing partnership with Amnesty International Norway since 2002. The partnership is based on human rights education and dialogue meetings on relevant human rights dilemmas. We also cooperate with the Danish Institute for Human Rights for external expertise to further develop, maintain and strengthen our approach to human rights. As a Signature Partner of UNICEF Norway, we contribute to children and youth education, and discuss how to further integrate respect for children’s rights in our processes and procedures.

Hydro Brazil is also a member of the Voluntary Principles on Security and Human Rights and the Global Business Initiative on Human Rights.

Managing human rights risks

In line with our risk-based approach and major risks to people, we are working closely with specific cases with high human rights risk. We welcome dialogue and encourage you to contact us if you would like to discuss further.  

Many of our risks are described in several human rights impact assessments, which we are continuously working to mitigate. More information can also be found in our Annual Report

No Qatar, temos uma fundição de joint venture com a Qatar Petroleum, chamada Qatalum. A grande maioria dos funcionários da Qatalum são trabalhadores migrantes. Esforçamo-nos para garantir boas condições de trabalho para as pessoas que empregamos diretamente e para acompanhar as condições dos colaboradores contratados.

Os riscos incluem:

  • Escravidão moderna, trabalho forçado e abuso de trabalho infantil
  • Condições de trabalho decentes
  • Princípios de liberdade de associação e negociação coletiva

Como trabalhamos para mitigar riscos:

Para pessoas jurídicas em que a Hydro detém menos de 100 por cento dos direitos de voto, os representantes da Hydro nos conselhos de administração ou em outros órgãos de governo se empenharão em seguir os princípios e padrões dos documentos de governo da Hydro. Trabalhamos através da diretoria da Qatalum e apoiamos a Qatalum no desenvolvimento de documentos de governança relacionados à responsabilidade social corporativa (CSR) e direitos humanos.

A GIEK (Agência Norueguesa de Garantia de Crédito à Exportação) conduziu uma revisão do desempenho de RSC em abril de 2019. A GIEK reconheceu a melhoria desde sua última visita em 2016 e fez recomendações para fortalecer ainda mais os documentos que regem o Qatalum e seus procedimentos estabelecidos.

No Brasil , a mina de bauxita da Hydro, Paragominas, e a refinaria de alumina, Alunorte, estão localizadas no estado do Pará, no norte do Brasil, e são conectadas por um mineroduto de bauxita de 244 km. Localizada ao lado da Alunorte, está a fábrica de alumínio primário da Albras, da qual a Hydro possui 51 por cento. Além disso, a Hydro possui três fábricas de extrusão de alumínio no sul do Brasil. A Hydro emprega cerca de 6.000 funcionários permanentes e 8.000 contratados (equivalentes em tempo integral) no Brasil no total. Além disso, a Hydro possui 5% de participação na Mineração Rio do Norte (MRN) e contratos de off-take com a Vale para mais 40% do volume de bauxita produzido pela MRN.

Os riscos incluem:

  • Direitos de indivíduos e grupos vulneráveis
  • Fornece informação, diálogo e participação
  • Reassentamento, relocação e reintegração de posse legítima, respeitosa e legal

Como trabalhamos para mitigar riscos:

Temos uma série de projetos sociais e comunitários nas comunidades onde operamos para fortalecer as comunidades locais por meio da educação e da capacitação e impulsionar o crescimento econômico. Por meio de um engajamento estruturado das partes interessadas, buscamos manter um diálogo aberto e promover a transparência com as instituições e comunidades locais. Em 2019, foram realizadas mais de 200 reuniões de diálogo comunitário com as comunidades próximas às nossas operações no estado do Pará. Continuamos implantando o programa Portas Abertas, facilitando visitas sistemáticas às nossas unidades dos principais públicos de relacionamento. Recebemos mais de 1.800 visitantes por meio desse programa em 2019.

Para entender melhor o nosso impacto, a consultoria brasileira Proactiva está atualmente conduzindo uma avaliação completa do impacto dos direitos humanos das operações no estado do Pará, Brasil. A due diligence cobre a refinaria de alumina da Alunorte, a produtora de alumínio primário da Albras e a mina de bauxita de Paragominas, incluindo o oleoduto. As conclusões incluirão ações mitigadoras que serão implementadas nos próximos anos. Os trabalhos são integrados nas diferentes áreas e acompanhados por um PMO. Estamos aumentando ainda mais nosso envolvimento com as principais partes interessadas em direitos humanos no Brasil.

Questões não resolvidas permanecem relacionadas à identificação de indivíduos diretamente impactados pela construção de um mineroduto de bauxita com 244 km de extensão que atravessa áreas habitadas por grupos tradicionais quilombolas no Território de Jambuaçu, no Pará. Essas questões remontam à época antes da Hydro se tornar proprietária, e o antigo proprietário do gasoduto ainda é a parte legal. A Hydro mantém relações com os representantes quilombolas por meio de funcionários dedicados e está cooperando com a Fundação Cultural Palmares para fomentar o diálogo e estabelecer uma agenda positiva no território quilombola. A Fundação Palmares é a agência brasileira responsável pelos assuntos quilombolas. Atualmente, a Hydro está trabalhando em conjunto com diferentes partes interessadas, incluindo, mas não se limitando a Palmares, comunidades quilombolas e o Estado do Pará, para estabelecer um acordo que busca remediar os impactos.

Por meio do Programa Território Sustentável de Moju no Território de Jambuaçu, realizamos ações para apoiar as associações locais ao longo do gasoduto para fortalecer sua estrutura jurídica, administrativa e de governança. Atualmente, o programa é composto por várias associações, com planos de expansão para outras associações de Jambuaçu interessadas em 2020.

Em Barcarena, também no Pará, em uma área no entorno das operações da Hydro e regulamentada para fins industriais, a extração ilegal de madeira e os assentamentos irregulares se aceleraram desde 2016. Nem as autoridades nem a Hydro querem assentamentos na área. Além disso, foram feitas alegações por grupos locais sobre potenciais impactos ambientais.

No município de Oriximiná, no Pará, Brasil, onde está localizada a mina de bauxita da MRN, há uma disputa em andamento entre as comunidades quilombolas e as autoridades brasileiras a respeito do título de propriedade do governo federal. O território reivindicado por essas comunidades abrange certas áreas que estão planejadas para serem mineradas pela MRN no futuro, mas a MRN não é parte legal neste conflito.

A Hydro se compromete com a MRN por meio do Comitê do Conselho de Administração para solicitar que o escopo da avaliação de impacto ambiental e social (ESIA) planejada e os processos de consulta quilombola para o projeto de expansão estejam em conformidade com os padrões locais, nacionais e internacionais. A MRN está atualmente empenhada em compreender e responder às expectativas das partes interessadas locais em relação às preocupações sobre os impactos das operações da MRN nas comunidades locais. A MRN também apóia o Programa Territórios Sustentáveis, um programa social para promover o desenvolvimento de longo prazo das comunidades tradicionais de Oriximiná.

A Hydro tem mais de 30.000 fornecedores ativos em todo o mundo. A maioria está localizada nos mesmos países que nossas instalações de produção.

Os riscos incluem:

  • Escravidão moderna, trabalho forçado, abuso de trabalho infantil
  • Condições de trabalho decentes
  • Direito à saúde e segurança

Como trabalhamos para mitigar riscos:

Estabelecemos requisitos mínimos relativos aos direitos humanos para nossos fornecedores. Estes são declarados no Código de Conduta do Fornecedor da Hydro . Esperamos que nossos fornecedores cumpram e promovam os mesmos princípios em sua própria cadeia de suprimentos. Leia mais sobre Cadeia de suprimentos responsável aqui.

Com base em nosso processo de due diligence de integridade, avaliamos novos fornecedores com base em critérios de direitos humanos. Conduzimos auditorias baseadas em riscos e análises de fornecedores e trabalhamos para melhorar o desempenho do fornecedor por meio de planos de ação corretiva ou programas de desenvolvimento de fornecedores. Cerca de 100 auditorias são realizadas todos os anos, dependendo do risco.

O não cumprimento ou violação dos princípios do Código de Conduta do Fornecedor da Hydro que não possa ser corrigido dentro de um período razoável pode levar à rescisão do contrato com o fornecedor. Em 2019, por exemplo, rescindimos um contrato com um de nossos fornecedores de metal. A Hydro estava preocupada com a conformidade do fornecedor de metal com os princípios, mas não recebeu permissão para auditar as operações do fornecedor.

Definições:

Devida diligência: o processo para identificar, prevenir, mitigar e contabilizar como a Hydro trata os impactos adversos reais e potenciais em nossas próprias operações e cadeia de abastecimento

Questões importantes: os direitos humanos que correm o risco do impacto negativo mais grave das operações ou fornecedores da Hydro

Grande risco para as pessoas: questões importantes de direitos humanos que nossas operações correm o maior risco de impactar

Risco para as pessoas: risco de impactos potenciais ou adversos relacionados aos direitos humanos

Com base no risco: priorizando com base na maior gravidade e probabilidade de um impacto adverso

Recommended for you