Skip to content

Dia de Mercados de Capital 2018: navegando em tempos desafiadores, mantendo o foco de longo prazo

A Hydro continua comprometida com sua estratégia de melhorar e crescer ao longo de toda a cadeia de valor do alumínio, sustentada pela firme demanda pelo metal infinitamente reciclável no mundo inteiro. Resolver a situação na refinaria de alumina da Alunorte no Brasil é uma prioridade e o processo para retomar a produção total será um tema importante no Dia do Mercado de Capitais 2018.

No evento deste ano, a Hydro apresentará sua direção e desempenho estratégicos gerais, incluindo uma atualização sobre a situação no Brasil e detalhes sobre as perspectivas de mercado para 2019 e em longo prazo.

“Após a aquisição e integração bem-sucedida de Soluções em Extrudados, estou mais confiante do que nunca que a cadeia de valor integrada é o caminho para uma Hydro Melhor, Maior e Mais Verde. Somos encorajados pela tendência positiva de longo prazo para o aumento do uso de alumínio em produtos e soluções modernas em nível mundial”, diz o presidente e CEO, Svein Richard Brandtzæg.

Em curto prazo, a Hydro está trabalhando duro para retomar as operações na Alunorte, após nove meses de produção a 50%.

“Nosso objetivo é estabelecer uma plataforma comum com as autoridades e o sistema judicial para ter um caminho alinhado em direção à produção total, utilizando a melhor tecnologia disponível. Nós temos o que é preciso: as pessoas certas, a tecnologia certa e o espírito certo”, diz Brandtzæg.

Perspectivas positivas de longo prazo para o alumínio – e para a Hydro

O alumínio continua sendo o metal-base que mais cresce no mundo devido às suas fortes propriedades inerentes e alto grau de versatilidade no uso. A demanda global por alumínio primário deve crescer de 2 a 3% em 2019, com um déficit continuado no mercado primário global. A demanda global deverá crescer de 2 a 3% ao ano nos próximos 10 anos, com a global semis demand estimada em 3% e a reciclagem em 3 a 4% ao ano no mesmo período. O alumínio é leve, forte e infinitamente reciclável, ganhando terreno como um bloco de construção cada vez mais importante com o movimento em direção à economia circular de baixo carbono.

“Vemos muitos exemplos de forte desempenho em toda a empresa, como a tecnologia piloto de Karmøy, na Noruega, a nova linha automotiva na Alemanha e as melhorias contínuas na nova área de negócios de Soluções em Extrudados. A integração de Soluções em Extrudados está prestes a fornecer 200 milhões de coroas norueguesas em sinergias, já tendo investido metade dessa quantia até agora em 2018. Com base na força de trabalho mais qualificada e especializada do setor e em nossas posições líderes na indústria em inovação e sustentabilidade, nossa perspectiva de longo prazo permanece positiva”, diz Brandtzæg.

Devido à situação do Brasil, a Hydro não poderá entregar seu programa Better com melhorias de 3 bilhões de coroas norueguesas em um período de quatro anos até o final de 2019. Pelo mesmo motivo, a Hydro não conseguiu manter o rumo de vários de seus objetivos de médio prazo.

“Estamos muito decepcionados por não poder seguir melhorando nossa taxa de lesões e completamente devastados com a recente morte de um empregado na Hungria. Estamos implementando ações em toda a empresa com foco na competência e formação adicionais”, diz Brandtzæg.

A Hydro se dedica a garantir a disciplina de capital e um balanço sólido, além de proporcionar retornos competitivos aos seus acionistas. Os retornos dos acionistas continuam sendo uma prioridade da Hydro, com uma política de dividendos de retorno de 40% do lucro líquido ao longo do ciclo e 1,25 de coroa norueguesa por ação para ser considerado um patamar. O CAPEX de manutenção é estimado em cerca de 6,5 a 7 bilhões de coroas norueguesas entre 2018 e 2021, incluindo investimentos para melhorar a robustez da Alunorte. A estimativa total de investimentos para 2019 é de 10 a 10,5 bilhões de coroas norueguesas.