Skip to content

Pesquisa inédita sobre hábitos de aves na Amazônia mostra que animais estão voltando a frequentar áreas reflorestadas

Estudo realizado pelo consórcio BRC identificou a presença de gavião-real e outras aves ameaçadas de extinção em áreas reflorestadas de Paragominas

270821_bird-montage.jpg
Crédito das fotos: Marcos Persio/BRC

Ao longo das duas últimas décadas, a cidade de Paragominas (PA) vem se destacando como uma das cidades amazônicas modelo de desenvolvimento sustentável e um estudo que vem sendo realizado pelo Consórcio de Pesquisa em Biodiversidade Brasil-Noruega (BRC na sigla em inglês), em parceria com a Hydro, traz resultados animadores sobre a presença de aves em áreas reflorestadas da região. A pesquisa “Diversidade de aves em três áreas em diferentes estados de conservação”, iniciada em 2017, constatou o retorno de pássaros em áreas em recuperação em Paragominas, onde fica localizada a mina de bauxita da Hydro. Até o momento, foi encontrado o total de 228 espécies durante a pesquisa.

Nas regiões avaliadas, foram encontradas espécies correspondentes com o estágio de reflorestamento em que essas áreas se encontram. O objetivo da recuperação ambiental é restabelecer os elementos do ecossistema conforme o seu estágio sucessional. Após oito anos de reflorestamento, foram encontradas espécies de aves que se alimentam de sementes, frutos ou partes de plantas. Outro importante indicador é o fato de que todas as espécies encontradas se reproduzem no local. Nas áreas de floresta da Hydro Paragominas também já foram encontradas algumas aves ameaçadas de extinção, como a Ararajuba. No caso das aves, um excelente indicador da qualidade das florestas remanescentes da área da Hydro é a presença do Gavião-real, que está no topo da cadeia alimentar e já foi encontrado na área de floresta nativa perto da mina. Isso indica que as florestas remanescentes na área estão em bom estado de conservação e serão fundamentais para o processo de recuperação florestal da área como fonte de colonização de espécies de aves.

“Ficamos felizes em ver que o trabalho de reflorestamento realizado na Hydro Paragominas está no caminho certo. A Amazônia é um ambiente complexo e único no planeta. Ele demanda uma atenção maior para se recuperar totalmente e, para nos ajudar a entender toda essa complexidade, contamos com o BRC”, afirma Domingos Campos, diretor de Sustentabilidade da Hydro.

“O trabalho da Hydro tem ido além do simples reflorestamento. O investimento em pesquisa permite saber se o método que está sendo utilizado em cada local está possibilitando que a área minerada seja recuperada e os animais que viviam no passado possam retornar. É aí que o BRC entra. Não vemos isso em nenhuma outra empresa da região”, afirma o professor Marcos Persio, que está liderando o projeto de pesquisa de aves.

A próxima etapa do trabalho realizado pela equipe do BRC é o monitoramento das aves por meio de colares para estudar os hábitos e movimentos dos animais. Atualmente, 10 pesquisadores trabalham no estudo das aves.

Reflorestamento – Quase 2.500 hectares já foram reflorestados na região da mina de Paragominas, desde 2009. Somente em 2020, 206 hectares receberam as mudas produzidas no próprio viveiro da empresa. Cerca de 70% do reflorestamento foi realizado com a técnica de nucleação e 30% com o plantio tradicional. A nucleação consiste na formação de "ilhas" ou núcleos de vegetação com espécies com capacidade ecológica de melhorar significativamente o ambiente, facilitando a ocupação dessa área por outras espécies. As espécies usadas na recuperação das áreas da Hydro Paragominas são referenciadas no inventário feito pela empresa, antes da extração do minério, com aproximadamente 50 espécies adaptáveis à realidade da região. Entre as espécies, em 2020, foram plantados ipê amarelo e roxo, jatobá, maçaranduba, ingá de macaco, abiú de macaco, mata-mata, fava bolota.

De acordo com a meta da empresa é recuperar na proporção de 1:1, ou seja, a cada 1 hectare disponibilizado no ano (área lavrada, menos a área utilizada para infraestrutura) será recuperado 1 hectare em até dois anos após a disponibilização. Estes números levam em conta a natureza dos ciclos de mineração, a busca contínua para o sucesso do reflorestamento, a conservação do ecossistema, o avanço das técnicas de reabilitação e a segurança operacional da mina.

Pesquisa – O BRC é uma iniciativa inovadora de parceria da Hydro para investir na pesquisa para o fortalecimento das estratégias de conservação da fauna e da flora amazônica, além da geração de informações que subsidiem a melhoria dos processos de recuperação florestal das áreas mineradas de bauxita em Paragominas. A mina de Paragominas funciona como um grande laboratório natural para análises técnicas e científicas desenvolvidas pelo Consórcio, que é composto pela Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Rural da Amazônia (UFRA), do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), da Universidade de Oslo (UiO, Noruega) e profissionais da Hydro.

In Press Porter Novelli

External Press Officer

Recommended for you